21 de janeiro de 2010

A síndrome do golo sofrido

É uma tendência que parece ter vindo a aumentar à medida que o campeonato avança: a equipa só joga quando se vê em desvantagem no marcador. Apesar de batalhar durante todo o jogo, só causa problemas aos adversários quando se encontra a perder. Isto repete-se jornada após jornada.

Nota-se que há uma clara falta de motivação em vários elementos do plantel, e essa desmotivação só é substituída pela vontade de vencer quando os jogadores vêem o adversário marcar.

Será isto normal? Será que a equipa perdeu a confiança no seu treinador? Espero bem que não. O FC Porto não está em condições de até os seus jogadores andarem a brincar com o próprio esforço. Neste momento, e mais que nunca, temos de puxar todos para o mesmo lado para contrariar esta tendência a que chamo de a síndrome do golo sofrido .

Espero que já no próximo jogo a equipa entre a matar, porque é assim que se ganham os jogos. Não podemos voltar a dar avanço aos adversários, temos de jogar para ganhar do primeiro ao último minuto. É assim que se fazem os campeões. E nós, mais que ninguém, devíamos saber isso.

20 de janeiro de 2010

Ruben Micael, o tão esperado reforço

Depois de Pinto da Costa ter afirmado publicamente que o plantel não seria reforçado em Janeiro (declaração que poucos, ou nenhuns, levaram a sério), eis que o FC Porto contrata Rúben Micael.

O FC Porto pagou ao CD Nacional três milhões de euros por 60% do passe, e deu ao jogador um contrato de quatro épocas e meia com uma cláusula de rescisão de 30 milhões de euros. Este valor da cláusula de rescisão demonstra a confiança que os responsáveis portistas têm no jovem de 23 anos.

Rúben Micael chega numa altura muito importante, já que no próximo mês fica decidido quem realmente está na luta e por quê. E, apesar de tudo, o FC Porto ainda está em todas as frentes.

Com esta contratação, o mais provável é o FC Porto ter encontrado o jogador que lhe faltava para fazer uma melhor gestão da bola e a levar com qualidade até à linha avançada, aumentando assim a qualidade de jogo da equipa e as hipóteses de vencer.

A nós, portistas, resta-nos dar-lhe as boas vindas e apoiar este novo Dragão como fazemos com todos os outros.
Boa sorte, Rúben. Força, Porto!