24 de setembro de 2010

«A Instituição»

Há uns dias atrás propus a mim mesmo fazer um post a expôr a farsa que é «a Instituição» e o falso moralista que é o seu presidente. Tal não foi preciso porque alguém se antecipou. Como tal, deixo-vos aqui o trabalho do blog BestOfFutebol:

1ª Parte


2ª Parte


Nota: Os vídeos reproduzidos acima não sofreram qualquer alteração. Logo, qualquer publicidade ou observação nesses mesmos vídeos são da responsabilidade dos respectivos autores.

22 de setembro de 2010

Jornada 5: Tempo de balanço

Durante estas cinco primeiras jornadas da Liga, o FC Porto, no meio de muito fogo de artifício, venceu os seus cinco jogos. E fê-lo, com maior ou menor dificuldade, de forma inteiramente justa.

Depois de, incrivelmente, todos os seu jogadores terem saído sãos e salvos do jogo da supertaça, o FC Porto tem mostrado todo o potencial do seu novo plantel. Vejamos:

A baliza continua entregue a Helton. Mesmo com a chegada de Kieszek, que veio "substituir" Nuno - que terminou a carreira - o maior concorrente de Helton continua a ser Beto. Em conjunto, sofreram até agora apenas quatro golos em nove jogos.

Na defesa estão as maiores surpresas. Para já, Sapunaru não tem dado a mínima hipótese a Fucile e a dupla central Rolando-Maicon começa a ganhar cada vez mais força. Otamendi e Sereno terão que esperar serenamente por uma oportunidade de mostrar serviço. Na esquerda «Palito» Pereira parece não ter rival, a tal modo que o Rafa nem foi inscrito na Liga Europa.

Como diz a música "o meio-campo é o lugar dos craques" e aqui o FC Porto tem Fernado, Souza, Moutinho, Guarín, Castro, Belluschi e Rúben Micael para apenas três vagas. Até ao momento, André Villas-Boas tem feito alinhar de início Fernado, Moutinho e Belluschi. Fernado está imperial - tanto a defender como a atacar (!) -, Moutinho está, à semelhança da equipa, em crescendo e Belluschi até já defende! Mas, convém não esquecer que, a entrada de Guarín foi determinante no jogo contra a Naval e que tanto Souza, como Rúben Micael, têm entrado muito bem nos jogos. Aqui, em especial, ninguém pode dar-se ao luxo de jogar mal e dar uma hipótese aos concorrentes.

Quanto ao ataque: temos um Hulk a "carregar" a equipa nos seus ombros, um Varela a recuperar condição física e um Falcao apagado. Rodríguez parece ter deixado o excesso de peso para trás e tem entrado muito bem nas partidas. Ukra, depois da lesão frente ao Beira-Mar, regressou aos convocados para a deslocação à Madeira, mas acabou por não ser opção. Walter e James Rodríguez ainda são incógnitas, mas com certeza terão hipótese de se mostrar em breve. Quanto a Mariano, ainda continua a recuperar de uma grave lesão.

Relativamente às arbitragens, fica uma síntese dos jogos do FC Porto a nível interno:

Benfica 0-2 FC Porto (Supertaça) - vermelho por mostrar a Cardozo, Martins, Peixoto e David Luíz.

Naval 0-1 FC Porto - João Pedro cai na área do Porto sem motivo aparente para assinalar grande-penalidade; dois vermelhos por mostrar a jogadores da Naval, um por patada na cabeça no Moutinho e outro por entrada assassina no tornozelo do Guarín que o lesionou umas boas semanas; grande-penalidade assinalada a favor do FC Porto por mão na bola do defensor da Naval.

FC Porto 3-0 Beira-Mar - falta inexistente no livre que origina o segundo golo do Porto; grande-penalidade por marcar sobre Varela na segunda parte.

Rio Ave 0-2 FC Porto - grande-penalidade por marcar contra o FC Porto por falta de Álvaro Pereira na área; esse mesmo lance é precedido de várias irregularidades: puxão a Moutinho, fora-de-jogo de João Tomás na altura do cruzamento e falta sobre Maicon; vermelho por mostrar a Fábio Felício e Milhazes, o primeiro por pisar o Hulk sem bola e o outro por patada no joelho do mesmo jogador, novamente sem tentar jogar a bola.

FC Porto 3-2 Braga - nada de relevante.

Nacional 0-2 FC Porto - grande-penalidade por marcar a favor do Nacional por mão na bola de Rolando; grande-penalidade bem assinalada a favor do Porto por "agarrão" a Varela; grande-penalidade por assinalar a favor do Porto por derrube a Hulk momentos antes deste ser substituído.

Tudo o resto que for dito, a respeito dos jogos do FC Porto, é apenas conversa fiada.

Notas finais: todos os lances referidos na análise às arbitragens são fáceis de encontrar em sites como o YouTube e seus semelhantes. Para ler o texto referente à imagem deste post basta clicar na mesma.

19 de setembro de 2010

Contra-informação

Frase de André Villas-Boas durante a conferência de imprensa de antevisão ao jogo Nacional-FC Porto:
«Temos oportunidade de ganhar pontos a, pelo menos, um adversário directo, mas convém lembrar que esta será apenas a quinta jornada. São oito vitórias consecutivas, mas são apenas quatro na Liga. Não há nada de transcendente nisso.»

Agora compare com a frase que os senhores do jornal A Bola exibem na sua 1ª página de hoje. «Alargar vantagem para o Benfica é estímulo extra». Foi isto que foi dito? Ou estão a assumir que o Benfica não tem hipótese de ganhar ao Sporting? Este jornal não consegue escrever sobre o FC Porto com o mínimo de imparcialidade, seja em que tema for. E depois quando permitem artigos de opinião como os da Leonor Pinhão (clique aqui para o ler), aí sim, está tudo dito. Ainda se admiram quando os profissionais do FC Porto se recusam a prestar declarações quando há jornalistas d'A Bola na sala...

A colagem deste diário desportivo ao Benfica é evidente. E não bastando dar preferência a esse clube, ainda o ajuda a atirar areia aos olhos dos benfiquistas tentando, ao mesmo tempo, fazê-lo a toda a gente. Quem não se lembra da capa onde vinha uma foto do Roberto num treino com o título do género «Roberto faz duas grandes defesas no treino de ontem»? Outro exemplo é a entrevista do Cardozo, na edição de ontem. Uma entrevista deste jogador, e nestas circunstâncias, só era possível nesse jornal. Digo isto sem a mínima dúvida. Aliás, com um bocado de sorte o Cardozo nem teve de se chatear, eles fizeram as perguntas e as respostas...

Pelo menos no site desse jornal as declarações de André Villas-Boas já vinham mais de acordo com o que foi dito. Mas isso é o mínimo que se exige.