23 de fevereiro de 2012

Assalto ao primeiro lugar, Round 1

O FC Porto tem nesta jornada a primeira oportunidade de assumir a liderança da Liga. Como é óbvio isso está dependente de uma derrota do Benfica no campo da Académica, um jogo tradicionalmente difícil.

Quanto ao jogo dos nossos Dragões, esta era a equipa que eu apresentaria, sendo que a minha única dúvida seria entre o Varela e o James. Se tivermos em conta o desgaste sofrido pelo Lucho e pelo Moutinho no jogo frente ao City, penso que seria oportuno dar algum tempo de descanso a ambos se a oportunidade surgir. Assim sendo, a entrada de James e Defour no desenrolar da partida seria sempre a melhor (talvez até a única) opção. Por isso a escolha para extremo-esquerdo seria Varela, como se vê pela imagem à direita.

Quanto à defesa, Álvaro Pereira deve assumir o lado esquerdo, Sapunaru o direita e Maicon formar a dupla central juntamente com Rolando. Otamendi tem estado a um nível muito fraco, colocá-lo frente a uma equipa com avançados rápidos como os do Feirense seria puro suicídio.

Para trocar opiniões com outros portistas visite somosporto.org e registe-se. Se quiser dar a sua opinião em relação a este encontro em particular entre directamente no tópico especifico do mesmo pelo link http://www.somosporto.org/index.php?topic=844.0.

22 de fevereiro de 2012

É possível perder 4-0 e ficar optimista?

É.

Quem viu o futebol que a equipa do FC Porto praticou frente ao Manchester City sabe que este 0-4 é um resultado completamente enganador.

Nem discuto a justiça da passagem do City na eliminatória, a sorte esteve do lado deles nas duas mão e acabaram por passar, mas esperava muito mais deles. A defesa do FC Porto teve o azar sempre do seu lado, tanto nos golos como nas lesões, já que nas duas mãos a equipa perdeu por lesão Danilo, Mangala e Otamendi.

Pelas declarações do Vítor Pereira e dos jogadores no final do encontro dá para perceber que eles estão conscientes que fizeram um bom jogo e que a sorte não esteve do seu lado. Pessoalmente fiquei bastante agradado com a maneira que a equipa conseguiu reagir ao golo do adversário aos vinte segundos (!) de jogo e com o facto de nunca ter virado a cara à luta.

De resto é notório que o futebol praticado tem melhorado de jogo para jogo e, finalmente, vê-se a equipa a ir no bom caminho. Espero que esta atitude seja para manter e que os jogadores continuem a dar sempre o máximo porque, meus senhores, ainda temos um campeonato para ganhar.

21 de fevereiro de 2012

Acabem com isto!


Christian Atsu e Urretaviscaya são os dois últimos nomes de uma polémica que tem tanto de estúpida como de inútil. Ambos os jogadores não defrontaram os seu clube-mãe, sendo que Atsu foi por lesão (ou alegada lesão) e Urreta foi por doença (ou alegada doença). Se tanto a lesão como a doença eram realmente verdadeiras não sei, mas toda esta especulação era desnecessária.

A regulamentação (ou falta dela) em relação aos empréstimos de jogadores entre clubes da mesma divisão em Portugal é preocupante. Penso que chegou a hora de impor um limite de jogadores emprestados por plantel e, o mais importante de tudo, proibir os jogadores que estejam emprestados de defrontar os seus patrões. Assim acabavam as possíveis "habilidades" e toda a polémica em volta delas.

Senhores da Liga, acabem com esta palhaçada. Por favor.

20 de fevereiro de 2012

Em busca da estabilidade

Depois de uma primeira metade de temporada bastante atribulada, Vítor Pereira tem no mês de Março a oportunidade de remediar a situação com a dupla deslocação ao Estádio da Luz.

A eliminação precoce da Taça de Portugal e da Liga dos Campeões, assim como alguns pontos perdidos na Liga, deixaram a maior parte dos adeptos do FC Porto com vontade de ver outro treinador a liderar a equipa. Esta situação tem dado origem a críticas gratuitas, e muitas vezes infundadas, para Vítor Pereira.

Nos últimos dois jogos o FC Porto perdeu por 2-1 e venceu por 1-3 frente a Manchester City e Vitória de Setúbal, respectivamente. Apesar da boa réplica dada ao líder da Premier League, a generalidade dos portistas decidiram atribuir, sem hesitar, a culpa ao treinador. Os críticos nem se preocuparam com o facto de a estratégia de jogo ter sido condicionada duas vezes por lesão, nem do facto de Hulk ter feito um jogo para esquecer, nem tão pouco ao facto de o adversário ser o dono da melhor defesa e do melhor ataque da melhor liga do mundo. A culpa foi totalmente de Vítor Pereira. O mesmo Vítor Pereira é culpado mais uma vez pelo facto da equipa apenas ter conseguido vencer o último classificado da Liga portuguesa por 1-3. Mais uma vez não há atenuantes. Não importa o facto de este jogo calhar a meio do duplo embate com o City. Não foi bem pensado por parte do treinador poupar Hulk, Lucho e Moutinho durante alguns minutos. Não foi bem pensado a equipa baixar um pouco o ritmo de jogo e tentar gerir a posse de bola, poupando assim energias para a deslocação a Inglaterra.

Para muitos iluminados o FC Porto tem de vencer todas as equipas, mesmo sabendo que isso é impossível. Por isso, como está na moda, pede-se a cabeça do treinador. É óbvio que já perdemos jogos, ou pontos, que poderíamos ter ganho com decisões diferentes do treinador, mas o inverso também já se passou.

O que eu peço a todos os portistas é que se unam com a equipa e que esqueça a crítica gratuita. A equipa tem vindo a estabilizar e Vítor Pereira tem dado sinais de evolução como treinador, por isso vamos ter a dignidade de o criticar apenas quando ele o merecer. E se não for pedir muito, pensem antes de o fazer. Não dói nada.