3 de março de 2012

Cair no ridículo

O Futebol
Sexta-feira, 2 de Março de 2012 (http://eternobenfica.blogspot.com/2012/03/o-futebol.html)

O futebol é fair play, o futebol é desportivismo, o futebol é competitividade, o futebol é paixão. Quem acredita nisto é tolinho. Tudo o que disse é o que o futebol deveria ser mas não é. Futebol é imundice, futebol é nojeira, futebol é sujidade, corrupção e crime. É o que é e equanto algumas pessoas por lá continuarem não vai ser diferente.

O que vou dizer a seguir vai causar em alguns de vós uma sensação de espanto, mas se não o dissesse seria hipócrita. Se Pedro Proença fosse barbaramente assassinado, não teria pena nenhuma e possivelmente sentiria nesse acto uma vingança que poderia trazer alguma satisfação. Desculpem lá, mas enchi o saco. Não tenho paciência para alguns falsos moralismos ou virgens ofendidas. Morre Pedro Proença, porco de merda.

O Artista
Sábado, 3 de Março de 2012 (http://eternobenfica.blogspot.com/2012/03/o-artista.html)

Jean Dujardin deu vida à personagem criada por Michel Hazanavicius em O Artista, grande vencedor da 84ª edição dos Oscars. Pedro Proença reinterpretou na perfeição o papel de Artista. Duvido que seja apenas medo intrínseco ou necessidade de agradar ao Papa. Proença tem um Europeu para arbitrar e sabe a que campainhas tocar para as portas se abrirem. Não me surpreenderia se visse este artista a apitar uma das meias-finais. A atitude em campo não deixou margem para dúvidas. A forma como permitiu que Janko fizesse 6 faltas (e outras que ficaram por apitar) sem ver amarelo, a forma como protestou com Miguel Vítor poucos minutos depois da entrada em campo do internacional sub-21, o fechar de olhos ao lance de Witsel que antecede o 2-2, a dualidade de critérios gritante, o golo de Maicon em fora-de-jogo... inacreditável. E para culminar esta bela exibição, a expulsão de Emerson é algo surreal. Vê o primeiro amarelo por dar a bola a Moutinho. Acho engraçado que quando há falta, um jogador da equipa infractora costuma pegar na bola, andar uns metros e atirá-la alta para o adversário. Não acontece nada. Emerson deu-a a Moutinho rapidamente, nem a chutou para longe e vê amarelo. O segundo amarelo surge numa falta em que Emerson toca primeiro na bola. Tem piada porque, observando o critério de Proença durante todo o jogo, aquela falta nunca seria motivo para amarelo. Então porque foi Emerson amarelado? Fácil, fácil, fácil.

Parabéns a Pedro Proença por decidir o campeonato português. Infelizmente é uma sensação de déjà vu.
Os treinadores passam, a Corrupção fica
Sábado, 3 de Março de 2012 (http://eternobenfica.blogspot.com/2012/03/os-treinadores-passam-corrupcao-fica.html)

Percebo a indignação para com Jorge Jesus. Cometeu alguns erros no jogo de ontem, o mais escandaloso de todos terá sido, a meu ver, a não colocação de Matic a defesa esquerdo aquando da expulsão de Emerson. Preferiu deixar Gaitán, frágil no plano defensivo e já sem velocidade, na zona de acção de Hulk. E graças a uma tentativa de sair a jogar com bola na posição de defesa esquerdo, sem cobertura defensiva, perdeu a bola e fez a falta que originou o terceiro golo portista. Não podemos branquear os erros por nós cometidos. Da mesma forma que não devemos deixar passar outros erros que nos são alheios e que muito nos lesam.

Só em Portugal é que uma equipa como este Porto pode ser campeã. O que jogou o Porto ontem? O Porto são cinco jogadores, ponto final. Hulk, em quem colocam a bola quando há dificuldades, Lucho, o cérebro e organizador que mesmo sem conseguir meter a terceira velocidade transpira classe e trouxe uma enorme evolução ao meio-campo portista (só um burro não vê isso), Álvaro Pereira, de longe o melhor lateral da Liga, Moutinho, o jogador que Vieira recusou no Benfica e Hélton, melhor guarda-redes da Liga a par de Artur. Mas o que joga este Porto? Zero. É uma equipa com enormes fragilidades, sobretudo do ponto de vista defensivo e das bolas paradas. Não sei se repararam, mas na primeira parte o Benfica ganhou no meio-campo defensivo do Porto mais bolas de cabeça do que as que costuma ganhar num jogo inteiro contra um Setúbal. Rolando é um defesa ao nível de Paulo Madeira e Maicon não é melhor que o Sousa. A defesa do Porto é uma anedota e o seu treinador uma piada de mau gosto, um nabo perdedor que não conseguiu subir o Espinho quando tinha obrigação para tal e que perdeu a subida do seu Santa Clara à Primeira Liga de forma escandalosa em 2009, e também em 2010. Um perdedor. Vamos perder o campeonato para um perdedor.

O problema é que, em Portugal, os treinadores passam e a Corrupção fica. Muito bem, vamos despedir Jesus, contratamos um novo treinador e continuamos a perder. Basicamente é isto que vai acontecer. Já tivemos Koeman, Santos, Quique e Camacho nos últimos anos. Podem nem ser grandes treinadores, não são, mas não são piores que Jesualdo, Co Adriaanse ou Vítor Pereira. Nem os plantéis são assim tão desequilibrados, por vezes. Basta ver que, este ano, tendo melhor plantel e melhor treinador que o Porto, não vamos ser campeões.

Phil Jackson, mítico treinador dos Chicago Bulls e LA Lakers disse uma vez que "os ataques ganham jogos e as defesas campeonatos". Em Portugal viu-se ontem perfeitamente que quem decide jogos e campeonatos não são ataques ou defesas. O Porto vai ser campeão com Maicon e Rolando a titulares e Pereira no banco. Por muito bons que sejam os nossos plantéis, por muito bons que sejam os nossos treinadores, quando o Porto precisar de um empurrãozinho, irá tê-lo. Os treinadores continuarão a passar pelo Benfica. Enquanto a Corrupção não acabar, não poderemos pensar na hegemonia nacional. E os campeonatos surgirão pontualmente, a cada cinco anos, sob a forma de milagre.

Depois de ler tanta merda junta só me ocorrem duas coisas. O autor destes textos ou tem o intestino grosso ligado ao cérebro ou vive numa realidade paralela. Isto é completamente surreal. A azia está a tomar proporções épicas.

1 de março de 2012

Clássico a cheirar a campeão

Depois de na época 2009/2010 o Benfica ter perdido a oportunidade de se sagrar campeão no Estádio do Dragão, cerca de um ano depois, por capricho do destino, o FC Porto sagrou-se campeão da época 2010/2011 no Estádio da Luz. Ora, uma vez mais por capricho do destino, FC Porto e Benfica defrontam-se novamente esta jornada com muita coisa em jogo.

Embora ainda falte muito para o fim do campeonato, o vencedor deste clássico será o grande favorito e o mais que provável campeão 2011/2012. A equipa que sair derrotada ficará com o Sp. Braga à perna, partindo do principio que estes vencem o seu jogo. Em caso de empate perspectiva-se uma luta a três pelo primeiro lugar até ao cair do pano.

Este cenário parecia impossível há duas jornadas atrás, mas a derrota do Benfica em Guimarães e o empate em Coimbra permitiram a FC Porto e Sp. Braga recuperarem cinco preciosos pontos para o até então líder.

Como portista espero que o FC Porto mostre toda a sua garra e consiga trazer os três pontos, e muito provavelmente o título, para a Invicta.

28 de fevereiro de 2012

O seu a seu dono

Confesso que sou um admirador da persistência do jornal Record. Depois da confirmação da FIFA que o FC Porto era mesmo o clube português com mais títulos pelo simples facto da Taça Latina não ser uma competição oficial, estes senhores anunciaram que para eles essas taças seriam sempre contabilizadas.

Nota-se que este jornal é gerido por pessoas irreverentes, pois depois do episódio mencionado voltaram à carga no passado domingo à noite ao não considerarem o FC Porto como líder da Liga Zon Sagres.

Mas afinal o que diz o regulamento da Liga?

Critérios de desempate:

Ponto 6 do Artigo 9.º (competições por pontos) do Regulamento de Competições da Liga Profissional de Futebol:

«Para estabelecimento da classificação geral dos Clubes que no final das competições se encontrarem com igual número de pontos, serão aplicados, para efeitos de desempate, os seguintes critérios, segundo ordem de prioridade:

a) Número de pontos alcançados pelos Clubes empatados, no jogo ou jogos que entre si realizaram;

b) Maior diferença entre o número de golos marcados e o número de golos sofridos pelos Clubes empatados, nos jogos que realizaram entre si;

c) Maior número de golos marcados no campo do adversário, nos jogos que realizaram entre si;

d) Maior diferença entre o número dos golos marcados e o número de golos sofridos pelos Clubes nos jogos realizados em toda a competição;

e) Maior número de vitórias em toda a competição;

f) Maior número de golos marcados em toda a competição»

A Liga determinou, no entanto, que durante a prova, para estabelecer a classificação,
aplicam-se apenas os critérios d) a f).

Com base nestes critérios o FC Porto é líder do campeonato, como se pode ver no site oficial da Liga, do jornal O Jogo, do jornal A Bola e do Maisfutebol, por exemplo. Apenas o jornal Record se recusa a aceitar a verdade.

É óbvio que isto não tem significado nenhum e que o que conta é quem chega ao fim em primeiro lugar, mas serve para mostrar uma vez mais a má vontade do jornal Record em relação aos assuntos relacionados com o FC Porto. Será que se o FC Porto for campeão em igualdade pontual com algum clube este jornal vai atribuir, nas suas contas próprias, o titulo ao segundo classificado?