17 de março de 2012

E porque não os 90 minutos?

Depois de ter passado ao lado da primeira parte no jogo frente à Académica, o FC Porto voltou a oferecer uma parte, desta vez a segunda, ao adversário, o Nacional da Madeira. Tem sido comum esta época a equipa só jogar bem 45 minutos. Infelizmente é uma realidade a que já estou acostumado. As lesões tem sido muitas esta temporada e as escolhas muito limitadas, o que faz com que haja jogadores a acusar o excesso de jogos.

Apesar das dificuldades para Vítor Pereira escolher o onze para este encontro, o FC Porto entrou bem na partida e dominou toda a primeira parte e chegou ao intervalo a vencer por 1-0 mesmo tendo desperdiçado várias oportunidades claras de golo. Na segunda parte o Nacional foi à procura do golo e pouco a pouco assumiu o jogo. À mediada que o tempo passava foi-se notando a falta de Fernando, principalmente porque o Lucho deixou de conseguir pressionar e o Defour não é propriamente o brasileiro. Apesar de tudo houve garra, muita garra! Os jogadores deram o seu máximo e só assim foi possível segurar a vantagem para depois chegar ao 2-0. Moutinho foi essencial e Helton teve de salvar mais vezes do que as que estamos habituados, mostrando uma vez mais o motivo de ser o melhor guarda-redes a jogar em Portugal. Mangala e Alex Sandro trouxeram alguma velocidade à equipa do FC Porto numa altura em que os seus colegas davam sinais de estar exaustos.

Neste momento é fácil de perceber que os jogadores não conseguem jogar mais do que uma vez por semana. Talvez com todo o grupo disponível fosse possível ao treinador fazer uma melhor gestão, mas a realidade é que as lesões tem sido muitas e com os castigos à mistura ainda se torna mais difícil. Desta vez foi o Hulk, na próxima jornada é o Maicon que está suspenso por ter visto o quinto amarelo.

Ser eliminado duma competição nunca pode ser motivo de satisfação, mas olhando para a situação do plantel jogar apenas uma vez por semana pode ser vital para vencer o campeonato. Ou seja, o facto da equipa já estar fora das competições europeias pode ser uma grande ajuda. Depois da eliminatória frente ao Benfica da próxima terça-feira a contar para a taça da Liga, o FC Porto não mais jogará mais do que um jogo por semana até acabar esta época. Isto teoricamente coloca os dragões em vantagem física sobre o Benfica e em igualdade com o Sp. Braga para o que resta deste campeonato.

Se tudo correr normalmente em breve haverá mais opções para Vítor Pereira, pois o Varela já está praticamente recuperado e o Danilo vai entrar na fase final da recuperação. Por isso só nos resta ter fé e apoiar a equipa nestas últimas sete jornadas. E já só faltam 21 pontos para o bicampeonato!


16 de março de 2012

Faltam 24 pontos para o Bicampeonato

Com apenas um ponto de vantagem sobre Benfica e Sp. Braga, o FC Porto tem de mostrar uma vontade de ganhar os seus jogos muito maior do que a mostrada frente à Académica no passado sábado.

É óbvio que houve vários lances em que a equipa de arbitragem prejudicou o FC Porto, não só para esse jogo mas também para a deslocação ao Nacional, pois o amarelo ao Hulk foi mostrado erradamente num desses lances em que o FC Porto se pode queixar.

Apesar disso a equipa tem de fazer mais. Muito mais. A primeira parte esteve ao nível das divisões secundárias. Na segunda parte já se viu mais vontade mas o discernimento foi diminuindo à medida que o tempo passava.

Neste momento falta jogar com Nacional, Paços de Ferreira, Olhanense, Sp. Braga, Beira-Mar, Marítimo, Sporting e Rio Ave. Exactamente por esta ordem.

Estará a equipa à altura do desafio? Eu acredito que sim.

O primeiro adversário desta caminhada final é o Nacional da Madeira. Sem vários jogadores lesionados e com Hulk castigado, Vítor Pereira teve de recorrer ao júnior Mikel para completar a convocatória.

Com todas as limitações para este jogo só há uma solução para os que podem jogar: dar o máximo.

Este grupo de trabalho já provou que consegue erguer-se perante as adversidades e é isso que terá de fazer mais uma vez. Apesar da lesão do Fernando, da lesão do Djalma, da lesão do Varela, da lesão do Danilo, e apesar do castigo do Hulk o FC Porto tem equipa para vencer o Nacional. Sem dúvida. Sem a mais pequena dúvida.

Kléber, Iturbe, e Cristían Rodríguez poderão ter a oportunidade de serem titulares no lugar de Hulk e mostrar ao treinador que devem ser opções mais regulares.

Se a escolha fosse minha a equipa seria a da imagem à direita. Ou seja, os mesmo que defrontaram a Académica no último sábado com as saídas obrigatórias de Hulk e Fernado para as entradas de Cristian Rodríguez e Defour.

Se quiser saber mais sobre este jogo visite http://www.somosporto.org/index.php?topic=885.0 e participe na discussão.

13 de março de 2012

Entrada brutal de Bruno Alves sobre Rodrigo




Na imagem à esquerda pode ver o resultado das pisadelas de Bruno César sobre Luisinho. Isto nas barbas do árbitro assistente que, mais à frente, deu a indicação ao árbitro principal para expulsar Ricardo com vermelho directo após mergulho de... Bruno César. O árbitro e o mesmo Bruno César já haviam sido protagonistas num outro vermelho a um jogador do Paços, neste caso a Michel. Simulação de Bruno César, o árbitro marca falta e dá o segundo amarelo ao jogador do Paços de Ferreira.

O árbitro em questão é o senhor Bruno Esteves, o mesmo que expulsou James Rodriguez na jornada anterior ao FC Porto - Benfica da primeira volta. Na altura, apesar de rigorosa, achei a expulsão justa. Todo este tempo depois, comparando os lances, acho que alguma coisa está mal. Critérios...

É engraçado que a comunicação social não dê a mesma dimensão ao lance como deu à entrada do Bruno Alves sobre o Rodrigo. Como diz o outro, até um cego vê...