13 de fevereiro de 2016

Crónica de uma vitória saborosa


O sentimento dos adeptos benfiquistas na semana anterior a clássico, muito por culpa da comunicação social, era de que o FC Porto seria goleado na Luz. Talvez iludidos pelo ditado que reza que "querer é poder", achavam que por terem um avançado capaz de fazer hattricks contra equipas de mortos-vivos e de guarda-redes de seriedade duvidosa também bastava querer vergar os dragões. Nada de mais errado.

O jogo começou a ser ganho por José Peseiro no momento em que escolheu o onze titular. Mostrei aqui a minha preocupação sobre o eventual recuo de Danilo para a defesa e foi com felicidade que verifiquei que isso não iria acontecer quando vi Chidozie na equipa. O jovem nigeriano esteve irrepreensível e em muito ajudou para uma vitória num dos terrenos mais difíceis de campeonato. Além disso, permitiu que Danilo continuasse na posição que mais rende e onde é o melhor a jogar em Portugal.

Com Brahimi nas costas de Aboubakar e André André na esquerda, o FC Porto estava com dificuldades em criar perigo, mas, após o 1-0, o treinador portista reajustou a equipa. André Almeida - antigo médio-defensivo dos fracos, promovido depois a lateral-esquerdo de segunda e actualmente lateral-direito de trazer por casa - raramente subia, o que tornava desnecessária a ajuda extra a Layún; no lado portista Brahimi tinha dificuldades em impedir a saída de bola do Benfica, o que levou José Peseiro a somar um mais um, ou seja, passar o argelino para a esquerda e o ex-Vitória para o centro. Com André André em cima de Sanches o Benfica deixou de conseguir construir com facilidade e com Brahimi em cima de Almeida foi o FC Porto a conseguir criar perigo como até aí só por uma ou outra vez tinha conseguido. Um tiro, dois melros.

Além do já mencionado, as alterações promovidas pelo técnico azul e branco tiveram duas consequências que estão directamente ligadas à derrota benfiquista: deixar Herrera completamente solto e tornar Samaris irrelevante. 1-1; Marega para o lugar do apagado Corona; 1-2; Rúben Neves para fechar o meio-campo; Varela para ajudar Layún a partir do momento em que André Almeida percebeu para que lado o Benfica atacava; fim do jogo. José Peseiro tem nota máxima uma semana depois a ter tido opções de carácter duvidoso na derrota frente ao Arouca. Rui Vitória nunca conseguiu reagir.

Além de José Peseiro e o habitual Danilo, nota máxima para mais três jogadores. Herrera conseguiu recuperar de uma fase em que em poucos minutos colocou três bolas nos atacantes adversários; Chidozie que não tremeu e jogou como se tivesse dezenas de jogos destes disputados; e Casillas por ter feito a diferença.

E foi assim que o FC Porto trouxe três pontos na bagagem que permitem voltar a ver a luz do título ao fundo do túnel. Já Chidozie foi obrigado a tirar Jonas do bolso e deixá-lo em Lisboa para não ser acusado de furto.

11 de fevereiro de 2016

Rúben Neves ou Chidozie?

A resposta parece simples mas não deveria ser. Face às lesões de Maicon e Marcano, José Peseiro vê-se agora com um enorme problemas entre mãos: decidir se recua o médio em melhor forma para o centro da defesa ou se lança como titular um jovem sem qualquer jogo na primeira liga e que ainda no ano passado era também ele médio. A tentação de colocar Danilo ao lado de Indi deverá levar a melhor sobre o técnico portista, mas Rúben Neves não aparenta ter a capacidade física do ex-Marítimo para disfarçar as deficiências da equipa na transição defensiva. Pede-se por isso que Herrera acorde definitivamente para a vida ou, pelo menos, para este jogo.

Tudo isto era evitável. Bastava a SAD não andar a brincar com a sorte ao ter despachado dois defesas-centrais em Janeiro sem ter contratado ninguém. Lichnovsky foi emprestado para Espanha e Maurício - que apesar de não ser nada de especial era pelo menos um jogador habituado à posição - foi para o Marítimo. Agora a bomba rebentou nas mãos de Peseiro e logo num jogo em que qualquer resultado que não seja a vitória significa um ponto final (se é que já não foi posto no último fim-de-semana) na luta pelo título de campeão.

Que ninguém se engane: isto não é azar, é incompetência e negligência.

8 de fevereiro de 2016

Um estratégia de comunicação peculiar

Há algum tempo, talvez anos, que a SAD do FC Porto não dá sinais de vida e há já quem a compare à presidência de Cavaco Silva. A nação bem que gostaria de ouvir pela boca de quem de direito o que realmente se passa, mas quando algum responsável portista fala limita-se a sacudia a água do capote.

No meio de tanto silêncio surgiu recentemente um movimento que pode tornar o FC Porto um caso único em Portugal: as mulheres dos intervenientes a darem a cara por eles.

Vítor Baía criticou a SAD? Não há problemas, a Fernanda, actual esposa de Pinto da Costa, já lhe responde através do Instagram. Curiosamente, foi na mesma rede social que a mulher de Maicon, logo após este ter virado as costas ao jogo, decidiu vir dar a entender que o camisola 4 portista tem jogado lesionado e ainda colocar em causa o profissionalismo da equipa médica do clube.

Enquanto aguardo ansiosamente por um tweet da esposa do Dr. Nélson Puga, espero que os responsáveis do FC Porto mudem rapidamente de estratégia e passem de espectadores a intervenientes. Porque o clube está a afundar e eles continuam a assobiar para o lado. A continuar assim vamos acabar a época sem qualquer título e com as esposas de Lopetegui e Peseiro a trocarem galhardetes pelo facebook.

7 de fevereiro de 2016

Por favor, vendam o Danilo para a China


Nota prévia: foi claro para todos - ou quase todos porque as múmias da Sporttv preferiram não comentar a repetição - que o FC Porto viu um golo ser-lhe anulado de forma indevida. Esse golo daria o 2-1 e se calhar estaríamos agora aqui perante outro resultado, no entanto na mudaria em relação ao que se passou em campo.

O jogo de hoje parecia uma brincadeira de Carnaval. Uma brincadeira onde metade dos jogadores do FC Porto estavam ainda a benzer-se enquanto os jogadores do Arouca caminhavam rapidamente para o 0-1. Ninguém pressionou a saída de bola e a equipa visitante soube explorar bem o facto de José Ángel não estar nem perto dos requisitos mínimos do que deve ser um lateral-esquerdo de uma equipa de topo no que ao capitulo defensivo diz respeito. "O jogo só termina quando o árbitro apita" é uma das expressões mais antigas do futebol, mas alguém diga ao jogadores portistas que também começa ao mesmo som e não quando mais lhes convier.

Depois desse golo madrugador seria de esperar um FC Porto com vontade de dar a volta ao resultado, mas, apesar de ter tido oportunidades e ter mesmo conseguido fazê-lo, não foi o que se verificou a não ser num jogador: Danilo Pereira.

O Ex-Marítimo correu do inicio ao fim e praticamente só ele merecia outro resultado. Uma atitude competitiva que deveria ter contagiado os companheiros de equipa mas, infelizmente, não o fez. Não por culpa dele mas sim dos próprios companheiros. Danilo é neste momento um corpo estranho na equipa uma vez que parece ser o único com vontade de correr e lutar por resultados melhores. Condicionado pelo facto de estar "à bica" e poder falhar a visita à Luz caso visse o cartão amarelo - e ainda bem que não o fez, porque caso contrário mais valia não aparecer a esse jogo - não se coibiu de arriscar na altura de recuperar a bola e mesmo após várias pequenas lesões continuou em campo com a mesma disponibilidade com que começou o jogo. Já vi capitães no FC Porto com muito menos motivos...

Poderia estar aqui a falar das opções duvidosas de José Peseiro no que às substituições diz respeito - Varela entrou para quê? Se não estava em condições, porque foi Suk para o banco? Por alma de quem é que o Brahimi foi substituído? -, ou da atitude deplorável de Maicon ao fugir literalmente do jogo, ou ainda do golo mal anulado, mas tudo isto se torna relativo quando não existe a mínima vontade de ganhar.

Por isso deixo um bem haja ao Danilo e expresso o meu desejo para que fique muitos anos no meu clube. No entanto não posso deixar de dar o conselho à SAD: vendam-no o mais rápido possível para a China pois a jogar numa equipa tão inofensiva corre o risco de desvalorização ou, pior ainda, contaminação. E todos nós sabemos que o que importa mesmo são as grandes vendas, os títulos estão sobrevalorizados. #tudonossonadadeles