16 de março de 2016

Baader-Meinhof Phenomenon ou Síndrome de Peseiro?


Sabe aquela sensação de ver em todo lado uma coisa que só recentemente descobriu? Se é portista, é provável que neste momento sofra essa perturbação. E não, não falo da palavra nepotismo que passou a ser comum quando se fala da SAD do FC Porto depois de Carlos Abreu Amorim a celebrizar. O acontecimento que desencadeou o Baader-Meinhof Phenomenon na comunidade portista foi a chegada de José Peseiro ao Dragão fazendo-se acompanhar das já centenas de notícias e artigos de opinião que dão conta das dificuldades na transição defensiva visíveis em todas as equipas por onde passou.

O Marcano falou o corte e deu golo do Braga? "Só fica espantado quem quer, tal é a dificuldade que o Peseiro tem em montar uma boa transição defensiva." O plantel não tem defesas-centrais disponíveis, Layún e Chidozie terão de ser opções de recurso. "Tudo bem que havia vários jogadores castigados na defesa e meio-campo, mas aquela transição defensiva deixa muito a desejar!" O Maicon tenta fintar na defesa e oferece um golo a um adversário já depois deste ter marcado um golo na primeira jogada do encontro: "tudo isto era evitável com uma transição defensiva mais forte." E o penálti do Jonas em Paços de Ferreira? "Pouco me importa, enquanto o Porto não conseguir reagir rapidamente à perda de bola, com uma transição defensiva digna desse nome, não adianta pensar nisso." Aboubakar falha um golo de baliza aberta: "com a transição defensiva deficiente que esta equipa apresenta desde a chegada do Peseiro, sorte tivemos nós de o contra-ataque não ter dado golo." Os torniquetes da Porta 12 estão avariados outra vez? "Maldita transição defensiva, vai ser a ruína deste clube."

Transição defensiva. Transição defensiva. Transição defensiva. Parece que é esta a causa de todos os problemas do FC Porto. Pelo menos é uma coisa de aparente fácil resolução, o que indicia que o futuro será risonho mesmo que o sistema continue a favorecer descaradamente os grandes da capital e a SAD continue a fazer plantéis desequilibrados e com lacunas óbvias em alguns sectores. Basta resolver a maldita transição defensiva e tudo vai ao sítio.

14 de março de 2016

É assim tão difícil de perceber?


O recente movimento "volta Lopetegui" tem-me feito alguma confusão. Desde logo porque o basco não fez nada que mereça esse tipo de saudosismo, se ainda fosse "volta Jesualdo" ou "volta Vítor Pereira" ainda percebi, porque esses apesar de mal-amados por grande parte das massa adepta lá conseguiram ganhar qualquer coisita. Chorar por um treinador que desfilou incompetência e teimosia não me parece um caminho muito bom para se seguir.

Assumo desde já que quem diz uma coisa dessas é porque ainda não parou para pensar e se o fez é porque se esforçou para não perceber. Duvido que seja assim tão difícil chegar à conclusão de que o Chidozie foi chamado à titularidade porque não havia mais ninguém, que o Layún só joga como defesa-central porque não há mais ninguém e que a equipa está uma lástima do ponto de vista físico porque foi mal preparada nesse sentido desde o dia um desta época. E de quem é a culpa disto? Até posso dar uma pista: não é de José Peseiro.

A realidade é que o FC Porto está nesta situação por culpa da SAD e de Lopetegui e seus adjuntos. A administração não conseguiu formar um plantel equilibrado - ou permitiu que o anterior treinador o quisesse assim - e a equipa técnica que começou a actual temporada não soube dar aos jogadores o que eles precisavam para um ano desgastante.

Não sei se José Peseiro teria feito melhor, mas criticar duramente alguém que entrou a meio e que tenta juntar os cacos é tudo menos inteligente. Dizer ou escrever "volta Lopetegui" em qualquer lugar, olhando a tudo isto, é digno de uma criança mimada que não sabe o que quer ou de alguém que começou a ver futebol há duas semanas.

13 de março de 2016

Benfica controla as arbitragens e a comunicação social

Que grande parte dos árbitros têm um fraquinho pelo Benfica não é novidade para ninguém. Que os media portugueses dão preferência aos clubes lisboetas, em especial ao que joga de vermelho, já toda a gente sabe. A única coisa a acrescentar nisto tudo é que quem o confirma é o actual treinador do Sporting e que nas seis épocas anteriores esteve no comando do rival Benfica.

Quem não se lembra de Jorge Jesus chorar junto do quarto árbitro por um empurrãozinho da equipa de arbitragem em beneficio do Sporting sob a ameaça "eu sei coisas do ano passado"? O que pouca gente se lembra - ou faz por não se lembrar - é um pouco mais complexo. Sporting - Estoril foi o jogo em questão e a equipa da casa venceu por 1-0 com um golo alcançado através da marcação de uma grande penalidade conseguida em fora-de-jogo mais do que evidente. E o árbitro da partida, de quem Jorge Jesus sabia coisas do ano passado, que era? A pergunta só não dá prémio porque a resposta é demasiado fácil. Isso mesmo, Jorge Ferreira que, entre outras coisas, tem no palmarés, recheado de benefícios sempre em prol dos mesmos, a expulsão de um jogador da equipa da casa no, até esse momento complicado para a equipa lisboeta, Moreirense - Benfica.

Episódios como este, com origem no passado e consequências na época actual, existem vários. E o facto de ninguém pegar neles é simples de explicar: o controlo que os grandes de Lisboa têm sobre a comunicação social. O histórico de favores é enorme e cada vez mais desenvergonhado, por isso não deveria ter espantado ninguém quando o actual treinador da equipa de Alvalade insinuou que sabe muito bem como se planta contrainformação porque o aprendeu no tempo que passou no vizinho da Luz.

Da época passada só uma coisa mudou: além do Benfica, também o Sporting tem andado à boleia de quem apita. Muito pelo facto de Jorge Jesus estar a par de várias coisas do passado e que, como o próprio tem vindo a provar pouco a pouco, não terá problemas em descredibilizar o trabalho que desenvolveu no Seixal só para demonstrar que Luís Filipe Vieira e companhia há muito tempo controlam os apitos em Portugal. Até agora, graças a uma rede de favores bem montada, a generalidade da comunicação social tem conseguido assobiar para o lado como fez quando o ex~´arbitro Marco Ferreira disse em público e com todas as letras que era pressionado pelo Vítor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem, para facilitar a vida ao Benfica. Veremos o que acontecerá quando Jorge Jesus perceber que o primeiro lugar está fora do alcance do Sporting e seja ele próprio a afirmar o mesmo.

Entretanto estas forças vão trabalhando na sombra para manter o actual líder, que segue sem qualquer penálti marcado contra, e o FC Porto, única equipa do campeonato sem qualquer adversário expulso, atrás do Sporting. O problema é que os leões não parecem muito satisfeitos com a ideia de ficar em segundo lugar e toda a gente sabe o que acontece quando se zangam as comadres...